‘espaço impossível’

“Se este ferro queres quebrar,
se esta pedra queres sentir,
se este vento queres ter paz,
mas se encontras queres fugir.
se tens vida queres mudar, mas se mudas não te vês.
quem procura encontrar, quem encontra para esquecer.

Como a noite amanhece, qualquer santo enlouquece.
quando acordas queres amar, e que o mundo faz-te frio,
como água quer ser mar a chuva quer ser rio.
se és semente queres crescer, mas sem água vais secar,
vais ser tu a ir buscar o que o mundo não te der.

Como a noite amanhece, qualquer santo enlouquece.
queres o espaço impossível, queres arder o que apagou,
queres a escolha que passou.
mas tudo é o que tem que ser, tudo flui ou te faz crescer.
levo para o mar, tudo é o que tem que ser, tudo é o que tem que ser.
quando dói não vais gostar, mas não sais sem repetir.
quando voltas dói-te mais, mas não sabes resistir.

Porque pomba quer ser águia, e a águia um falcão.
como um mar quer tempestade, e a tempestade furacão.
vais prender-te ao precepício, porque o perigo é um vício.

Queres o espaço impossível, queres arder o que apagou,
queres a escolha que passou.
mas tudo é o que tem que ser, tudo flui ou te faz crescer.
levo para o mar, tudo é o que tem que ser,
tudo é o que tem que ser. tudo tem que ser,
tudo tem que ser. tudo é o que tem de ser,
tudo é o que tem de ser.

Levo para o mar…”

06_2014

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s